Voltar

02 de outubro 2019

Exportações de milho chegam a 40 milhões de toneladas em 12 meses

O milho se mantém como o grande destaque da balança comercial do agronegócio brasileiro neste ano.

As exportações de janeiro a setembro somaram 29,2 milhões de toneladas, 132% mais do que em igual período de 2018.

As receitas também são destaque. Ao atingirem US$ 5,1 bilhões de janeiro a setembro, superaram em 143% as do ano passado.

Ao registrar esse volume financeiro, o milho sai da sexta posição da balança do agronegócio nos nove primeiros meses de 2018 para a segunda neste ano, considerando apenas os alimentos.

As exportações estão tão aceleradas que o cereal deixa para trás carnes de frango e de boi, café e farelo de soja. As vendas externas de milho, que já são recordes, deverão atingir, em 2019, um patamar nunca registrado antes pelo país.

As vendas externas do cereal ajudam a compensar as de soja, que estão em ritmo menor neste ano. A Secex aponta a saída de 57 milhões de toneladas da oleaginosa de janeiro a setembro, 18% menos do que em 2018.

Além da queda no volume, os preços menores da oleaginosa no mercado externo provocam redução ainda maior nas receitas obtidas pelo Brasil. As exportações deste ano caíram para US$ 21,5 bilhões, abaixo dos US$ 28 bilhões de igual período de 2018.

As vendas externas de milho se intensificam porque a produção nacional será recorde, próxima de 100 milhões de toneladas.

Além disso, os exportadores brasileiros ocuparam parte de um espaço deixado pelos norte-americanos que, prevendo queda de safra nos Estados Unidos, retardaram suas vendas.

Já a soja, mesmo com a continuidade da guerra comercial entre Estados Unidos e China, não repete o bom patamar de 2018.

A China, principal consumidora mundial, tem bons estoques, após a intensa compra no Brasil em 2018. A redução do rebanho de suínos, devido à peste suína africana, também afeta o consumo, reduzindo a demanda pela oleaginosa.

Básicos As exportações de produtos básicos somaram US$ 88 bilhões até setembro deste ano. A soja liderou, seguida de petróleo (US$ 17,4 bilhões) e de minério de ferro (US$ 16,6 bilhões).

Carnes Este é um bom ano para as proteínas animais. As exportações de carne de frango “in natura” renderam US$ 4,7 bilhões até setembro. As de bovino subiram para US$ 4,2 bilhões, e as de suíno atingiram US$ 1 bilhão.

Algodão A commodity é outro destaque na balança comercial brasileira. As receitas de setembro somaram US$ 229 milhões, 37% mais do que as de igual mês do ano passado, conforme dados da Secex.

Fonte: Folha SP​​